quarta-feira, maio 03, 2006

LIBERDADE


que ninguém me afaste
da saliva que me escorre
ao tragar por completo
o doce veneno dos sentidos.

que ninguém ouse sequer
estender a mão para um qualquer antídoto.

não serei cobaia
para a sua digestão!

34 Comments:

Blogger Silêncios said...

Venenos com os quais mts gostariam de morrer...poucos os que conseguem...

5:48 da tarde  
Blogger Mia said...

Sermos livres para ser, para sentir, para estar, para dar. Viver em pleno todos os sentidos. Sem receios, sem obstaculos, sem regras, sem rede. Sem magoar.
Sentir, ouvir, olhar, saborear o pulsar do corpo, do coração.
Ser completo. Sentir por inteiro.

beijos

P.S- mas é tao dificil superar os nossos condicionalismos.

6:50 da tarde  
Blogger alice said...

o que é a liberdade?

é talvez a isenção de culpa

será portanto inocência?

mas não será inocente...

um grande beijinho,

alice

8:10 da tarde  
Blogger Mirada said...

Excelente, sincera saída do peito, é boa, a min paréceme moi boa. Beijos

8:16 da tarde  
Blogger Dalila said...

Farei sempre aquilo que bem quiser. Jamais me deixarei corromper por essa gente que me quer cobaia. Ou, pelo menos, farei por isso.

8:40 da tarde  
Blogger Luna said...

Todos temos o direito de beber o nosso proprio veneno.
beijos

8:58 da tarde  
Blogger Moni said...

Eu quero um gole, por favor!!!

Bjs

11:10 da tarde  
Blogger ~*Vica*~ said...

Nossa, lindíssimo! Forte, a imagem é belíssima! Beijos.

12:41 da manhã  
Blogger sonia r. said...

Belos venenos...boa noite Amândio.

4:47 da manhã  
Blogger ≈♥ Nadir ♥≈ said...

Intenso...
Beijos

11:35 da manhã  
Anonymous pequenita (quando o teu corpo e o meu) said...

Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.
Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer!
Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz!
Amo-te tanto! E nunca te beijei...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz!

Florbela Espanca

12:08 da tarde  
Blogger Ana P. said...

Olha, deixo-te um beijo

12:12 da tarde  
Anonymous Diana said...

Bom dia.....

Esse deve ser um veneno danado de bom...
Rsss....
Bjs....

12:51 da tarde  
Blogger .:: suspect zer0 ::. said...

que ninguém me dê o esgar dos santos
e se aquiete a olhar-me vácuo
na repulsa das tripas
que me suportam a vida.

não tentem eles deixar-me nú
à espera de um qualquer julgamento final.

não sou, não serei nunca
o seu modelo de produto acabado.


JAM, obrigado.

4:37 da tarde  
Blogger Um outro olhar said...

se faltarem os sentidos a quem está habituado fica completamente perdido

o doce veneno não pode faltar

antídotos, não existem...

liberdade é por ela própria dona e senhora, sem ela nada éramos.

:)

6:56 da tarde  
Blogger .: jigoku :. said...

Não só me revejo nas tuas palavras, como as sinto como um dever de quem cá anda.

Mas questiono muito acerca do que é a Liberdade.

Acho que não existe. Seja que abordagem for a que se faça ao seu significado (poética, religiosa, filosófica, ou whatever), existe sempre um senão. E havendo este...

8:35 da tarde  
Blogger Claudia_peixinha said...

O melhor antídoto é o de uma palavra amiga,esse não vais recusar?

Jokas!

9:05 da tarde  
Blogger LUA DE LOBOS said...

A autora Maria de São Pedro, a Papiro Editora e a Fnac têm o prazer de convidar V.Exas. a estarem presentes para o lançamento do livro GATO PEDRA no dia 19 de Maio, pelas 19.00h na Fnac - Cascais Shopping.

10:32 da tarde  
Blogger Maresi@ said...

Mais uma vez, um lindo e intenso poema... bjs

12:19 da manhã  
Blogger Clitie said...

Para mim este veneno soa-me doce...

Bjks e bom fim de semana.

1:57 da tarde  
Blogger falcão e cunha said...

E eis que o Homem decide dar um soco na mesa insane e envenenada de álcool...os copos, a jarra de vinho e o pão, acordaram do torpor e atentos escutaram a revelação...

9:46 da tarde  
Blogger poca said...

o doce veneno dos sentidos...
ou o verdadeiro milagre que é... sentir!

1:01 da tarde  
Blogger Rosalina said...

...o tom, agora, é outro. senti raiva.

1:05 da tarde  
Blogger Ludwig said...

viva a liberdade!!!

2:49 da tarde  
Blogger alice said...

querido amândio,

publiquei o convite para a fnac no meu blog

creio que não se importará, mas aguardo a sua opinião

até logo e um beijinho,

alice

11:54 da manhã  
Blogger lonely star said...

Poema suficiente pra eu liberar as lágrimas que eu estava segurando.
Me sinto assim e me sinto cansada =/

12:50 da manhã  
Blogger Ant said...

Curioso, utilizei esta foto num texto com espírito algo idêntico.
Penafiel? Lá pelos arquivos há fotos de Termas de S. Vicente onde tenho família e costume ir a banhos... Abraço.

10:03 da manhã  
Blogger Sea said...

:)

1:44 da tarde  
Blogger Menina_marota said...

Liberdade... de sermos, sentirmos, em cada um as palavras...

Um abraço :)

11:26 da tarde  
Anonymous Amita I said...

Felicito-te pela bela apresentação do teu livro "Pedra sobre Pedra" na Fnac e pela excelente poesia nele incluída.
Desejo o maior sucesso para o teu livro e agradeço-te a partilha deste espaço onde a Arte canta em letras.
Um bjo e uma flor

1:37 da manhã  
Blogger Maria Alice Teixeira Barbosa said...

"O amor ri de muralhas e barreiras"... não há veneno que destrua semelhante força cosmica...

2:42 da tarde  
Blogger Cris said...

E eis que me vejo a agradecer o teu genuflexo de agradecimento :)
Quanto à liberdade, como alguém já disse... é uma maluca que sabe quanto vale um beijo...
E deixo-te mais um.

5:02 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

alô!


uma ousadia da minha parte...

r.

http://leilaodepensamentos.blogspot.com/

4:00 da tarde  
Anonymous teresa cam said...

Olá!!!

veneno que embriaga a almas com todas a força que os sentidos dão à liberdade escolhida por cada um.

amei a foto....lindissima, forte

beijos meu querido

4:46 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home