terça-feira, outubro 09, 2007

ASAS DO (MEU) DESEJO


I

Olho-te - meu descanso ritmado, nome verdadeiro para o aconchego.

Sei que te sorrio quando bato as asas do desejo,

com destino traçado pelo azul de um céu - ventre da ternura.

Estou longe do vazio E languidamente ergo o meu aconchego alado.

plano sossegado sem fim no horizonte que envolve o meu ninho.

Sou-te desejo - carregado de vida.


II

em cada palavra um sopro.

em cada verso uma acometida.

em cada estrofe um mundo.

cada momento: mais!

gigante sem fim num simples segundo.

a poesia tem horas que o tempo não marca.

o êxtase tem regras que apenas respeitam ao frêmito.

nascem selvagens, criam mandíbulas que desfazem fronteiras.

nunca desfalecem, apenas se aconchegam para lá do cansaço,

onde o prazer vira lânguido repouso.


III

a minha saudade partiu em tua busca.

a tua procura preencheu o meu pensamento.

a minha vontade grita livremente enquanto permanece prisioneira,

no aconchego da tua mão fechada.

por cada proibição maldosa erguida num falso fervor do passado,

a panaceia aparece contunda numa mordedura predadora.

se me tolhem o sentimento, desfaço a dor numa prece canina!


IV

E é um manto de seda – tua noite

A cobertura doce da minha vontade.





jamais deixarei de voar!
(nem preciso das retinas para olhar mil vezes sem fim o filme de Wim Wenders...)

42 Comments:

Blogger serenidade said...

Nas asas do desejo voa ao sabor do vento suave como as mãos que escrevem bonita poesia.

Fantástico o voo para além dos sentidos.

Serenos sorrisos.

5:44 da tarde  
Blogger Artur Moura Queirós said...

Quando a ternura escorre dos dedos, os olhos fechados alcançam o aroma a desejo, a amor.

Não são palavras, não são versos, é a vida de quem ama disfarçada de poesia...:)

5:56 da tarde  
Blogger SAM said...

Voe poeta, porque as asas do teu desejo são doces e aconchegantes.


Lindo poema!

Beijos

2:22 da manhã  
Blogger Vitor Ribeiro said...

Lindos poemas que me fazem sentir com uma alegria e paz interior .

Grande abraço para quem tem a amabilidade de partilhar connosco estes poemas tão belos.

Vitor Ribeiro

12:06 da tarde  
Blogger MIGUEL BARROSO aka Girassol said...

na penugem quente dos sentidos caem palavras do céu que colho como se fossem cantadas por mim, como te percebo JAS.

abraço e força no desejo

2:36 da tarde  
Blogger Nuno da Cunha Ferreira said...

A dicotomia de um ser alado, calmo e sereno que é capaz de cravar as suas mandíbulas numa mordedura que irá prender os seus leitores no aconchego das “Asas do (Meu) Desejo”.

Poema que transmite serenidade e aconchego mas as expressões “mandíbulas”, “mordedura” e o verbo “desfazer” dá-lhe um corpo pujante mas gracioso – “alado”!?

4:31 da tarde  
Blogger SAM said...

Obrigada pelos belíssimos versos postados em meu cantinho. Tremeu meu coração ante a beleza deles.

Um beijo

4:34 da tarde  
Blogger Cackau Loureiro said...

MARAVILHOSO POEMA!

fiz um desenho de um anjo, exatamente igual a esse em 2004, é um dos poucos que guardei.O vi num livro!

imagem fantástica...e o poema é perfeito para ela!

10:37 da tarde  
Blogger Ponta Solta said...

O coração fica gigante quando as retinas olham uma só vez o que está escrito e a memória lembra ter passado feliz, mil vezes, por momentos que encontram descrição nas palavras de outrém....

9:28 da manhã  
Anonymous Margarete said...

Disfarço o olhar tentando não deixar que a minha mão se feche na tua para sempre, olho para ti e sei que a ternura é esta constante vontade de voar sem rumo para lá doslimites do louco que há dentro de nós.

Quando sabemos amar tudo é mais fácil... eu sei amar pelos teus versos.

3:10 da tarde  
Blogger Pedro Monserrate Lopes said...

5 poemas de grande profundidade. Um brilhante escritor e amigo.

Excelente

Pedro Monserrate Lopes & Patrícia Simões

3:54 da tarde  
Blogger Palavras ao vento said...

Que bom momento de poesia ...

E nas minhas palavras ao vento...
deixo-a entrar!

Parabens Oh poeta!

Beijos da

Maria

7:02 da tarde  
Blogger Blueshell said...

Ao tempo que não te "via", nem te lia... Gostei muito.

Beijo azul desses que só conchas azuis e tristes podem dar!
BlueShell

7:23 da tarde  
Blogger multiolhares said...

Voar é importante para todos nós, se não soubermos
Temos de aprender
beijo

11:10 da tarde  
Blogger Martuxa said...

Porque é ao voar que nos desprendemos...

4:03 da tarde  
Blogger Ana Paula Afonso said...

Não deixes de voar nunca. E continua a partilhar as tuas asas! Beijinhos

12:44 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

O NOSSO AGRADECIMENTO

O senhor doutor Amândio, que veio validar a nossa aprovação, deu-nos um banho de cultura, sabedoria, relações humanas, auto-estima e de força, em todos os aspectos, independentemente da nossa idade. gostava-mos de o ouvir falar mais de 24 horas seguidas pois foi um prazer conviver, nesse pouco tempo, com o Dr. Amândio, pelo seu profundo conhecimento que põe em tudo o que diz e pelo seu enorme humanismo. ben haja!

Sertã, a turma de S4

1:20 da tarde  
Blogger Claudia Perotti said...

São tantos sentires nestas letras, que escorrem em encantos em nossos olhos e sentidos.

Beijinhosssss

2:42 da tarde  
Blogger ~*Vica*~ said...

Nunca deixe de voar, amigo. Lindo poema. Adoro o filme do Wim Wenders.

4:46 da tarde  
Anonymous Secreta said...

"jamais deixarei de voar!" Voar é ser livre , é ser maior!
Beijito.

11:03 da manhã  
Blogger mariazinha said...

As asas servem para voar, mesmo. Há que usá-las.

:)*

10:30 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Boa tarde Dr!

Ler o seu blog é sempre um momento único!

Apesar de um pouco tardiamente, gostaria de lhe dar os parabens pela excelente palestra, bem como pela forma como a conduziu, uma vez que em meu ponto vista conseguiu transformar; aquilo q seria á partida um acontecimento um pouco "cansativo"; numa conversa agradável e interessante.
Onde puder ir ouvir a sua mensagem, lá estarei!
Com os melhores cumprimentos,
Nuno Bragança

2:06 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Caro Dr. Amândio

Nesta primeira linha aproveito para explicar o porquê do atraso deste contacto. Para lá das exigências que empreender implica fiquei sem portátil, logo sem o seu e-mail, e assim sem forma de o contactar.


Saído do contexto em que nos conhecemos, seria lógico seguir o protocolo e encher este escrito de cerimónias, dar-lhe os meus pêsames e fazê-lo medindo cada palavra.

No entanto, vou deixar a máscara para trás e seguir uma das aprendizagens daquela tertúlia, improvisando outro protocolo em cima do joelho, no clássico estilo apaga fogos português.

Face a essa perda esmagadora que está a viver, escolho usar este tempo, de contacto com morte e separação física, como um meio para celebrar a vida.

Através desta presença, mesmo que apenas escrita, quero expressar a alegria que é encontrar um ser ousado que arrisca falar do coração, e que acolhe no olhar outros com aquele brilho no olhar de que falou.

É mesmo muito refrescante, neste país cinzentão e acomodado, encontrar pensa/fazedores coloridos na sua visão da vida e do negócio.

Ao vê-lo e ouvi-lo, veio à mente o nome de um livro: “Seja Autêntico”, Se existe um atributo que posso dizer que vi e senti perante mim naquela noite foi autenticidade.

Escrevo para celebrar essa autenticidade e entrega incondicional ao que faz, e a coragem que tem de tornar a sua prática profissional numa expressão de quem é.

Por mais redutor que seja resumir numa palavra a experiência de o conhecer, essa palavra seria inspiradora.

Perante a tal postura que em mim cresce o desejo de partilhar, desejo de expandir no conhecimento, na experiência, na existência.

Crescer para ser mais e melhor, fazer o melhor e afectando positivamente os outros nesse processo.

Espero que as interacções e sinergias de que falou naquela noite se concretizem.

Termino dizendo que estou, além de curiosíssimo acerca da inteligência multi focal, disponível para contribuir para que aconteçam.

Alegremente,
David Pereira

2:13 da tarde  
Blogger poeta_silente said...

Olá, Joaquim.
Em primeiro lugar quero te agradecer a visita e o poema.
Agora, vamos ao poema que aqui li. Interessante o paralelo que fazes "poesia/sentimento".
De uma forma única, mostras que a capacidade de nos mostrarmos em versos, de nos colocarmos em estrofes, explode em momentos eternos... se é que podemos falar de "momentos eternos".... Mas o que são nossas experiências, nossas vivências, senão "momentos eternos"? E, junto com esta magnífica explanação do que é criar versos, unes uma "sui generis" explicação do que é o amar, o que é desejar. Para além do aqui, agora, o frêmito de uma paixão ultrapassa os limites do tempo/espaço, em busca do ser amado. rconheces, então, que o verdadeiro desejo é uma perfeita união entre "amar e querer". Pois, sem estarem juntos, perdem o sentido.
Linda poesia. A profundidade da correlação nos remete à profunda meditação.
Deus te abençoe.
Miriam

5:34 da tarde  
Blogger Freyja said...

querido amigo
escribes muy lindo y te felicito una vez mas por estos hermosos versos
y no dejes nunca de volar
gracias por tus saludos y tu compañia
muchos cariños y que estes muy bien
besitos


besos y sueños

1:16 da manhã  
Blogger vida de vidro said...

Belísimo. Aconchegantes asas do desejo, na verdade.
O filme... inesquecível. **

12:37 da tarde  
Blogger Joana Dalila Santos said...

cada vez melhor

6:14 da tarde  
Blogger Palavras ao vento said...

Nesta madrugada... leio e releio o sentir de alguém que escreve com sentimento e verdade!

Mais uma vez a minha gratidão por ter entrado no meu " mundo" e ter- me dado a oportunidade de entrar no seu!

Um poeta que não quero perder!

Bom fim de semana
Beijo da

Maria

2:21 da manhã  
Blogger multiolhares said...

Nunca, nunca deixe de voar, ninguem nos pode cortar as asas da vida
beijos

3:13 da tarde  
Blogger Nilson Barcelli said...

Excelente.
Como sempre, pois tu não fazes por menos.
Bfs, abraço.

11:38 da tarde  
Blogger brisa de palavras said...

A saudade parte em busca de algo de alguém que um dia foi importante...

um abraço

brisa de palavras

2:36 da tarde  
Blogger alejandrapiam said...

Pf!

10:09 da tarde  
Anonymous Nylda said...

Não quero ser uma coisa nova na tua vida,
nem desaparecer quando amanhecer o dia.
Quero apenas dobrar a esquina do teu mundo
e ter a sensação de que nunca fui embora...
Conservando para sempre a nosso Amizade!
Uma linda e feliz semana para ti.
Beijos e um sorriso.

(`“•.¸(`“•.¸ ¸.•“´) ¸.•“´)
«`“•.¸.♥ Nylda ♥ ¸.•“´»
(¸.•“´(¸.•“´ `“•.¸)`“ •.¸)

10:52 da tarde  
Blogger Metamorfose said...

7 Dias

7 Imagens

7 Palavras

7 Emoções

7 Sentires

7 Paixões

7 Contradições

Espero-te em metamorfoses 7

Um beijo de sentir em 7

11:04 da tarde  
Blogger Diva said...

Gostei do "cto sem final"... um voo para alem dos meus sentires. Negro. Livre.
Bjs meus

11:30 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Boa tarde Dr!

Chamo-me Ana Cristina Silva e sou auxiliar de Acção Educativa na escola E\B 2\3 Padre António Lourenço Farinha da Sertã.
No passado dia 19 tive como tarefa ir à Casa da Cultura buscar a turma do 8ºD, pelo motivo de a professora que estava com eles tinha que se ausentar.
Pensei para comigo "Que grande seca vou apamhar!!!"
Quando cheguei o senhor (não sei se gosta que o trate assim, eu não gosto muito porque é um jovem comparado comigo, pois tem 42 anos e eu 49 anos) já estava a falar.
Por acaso, sentei-me atrás do seu grande amigo, e como diz aquele ditado, e nisto, claro que estou a referir à sua palestra, "Primeiro estranha-se e depois entranha-se". Foi o que aconteceu comigo. Foi um prazer ouvi-lo durante uma hora, fiquei colada à cadeira a absorver as suas palavras, ora divertidas ora muito sérias.
No fim, lembrei-me das palavras duma entrevista que aqui à dias li dada pelo Mário Crespo em que dizia "no dia em que tiver só certezas morri ".
Muito obrigado e volte sempre a esta minha terra que eu adoro.

2:03 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

tudo depende das horas em que nos lemos :) não sei bem se é violação de privacidade, mas se o endereço está no blog não deve ser... como também não tenho nenhum registo para fazer um comentário que já algum tempo gostaria de passar e não consigo tb penso que não me irás levar a mal pelo facto de enviar um email, ficas com o registo do meu email se eventualmente me quiseres processar ;) ou fazer uma critica ao que digo tens sempre uma maneira de te pronunciares mas acho que já chega de palavras soltas e desculpas para uma eventual desordem, afinal o que eu queria mesmo é tão simples que nem precisava de todas estas cerimónias mas pronto é de mim mesma este aconchego que me saí devagarinho para não ferir susceptibilidades acredito que quem tem o teu talento e a leveza de levar as palavras onde se quer parece.me que assim sem dar por isso, deve ter uma felicidade constante, por tudo o que li até hoje e pelo conhecimento uma continuação sincera de um seguimento fantástico deste teu blog beijo rita

2:09 da tarde  
Blogger arealmar said...

Por vezes batemos as asas
Mas o peso da vida não nos deixa voar
No entanto temos a obrigação te tentar

cumprimentos

9:17 da tarde  
Blogger serenidade said...

Qua a doce vontade de voar perdure no tempo para além do escasso tempo ...

Serenos sorrisos

10:34 da manhã  
Blogger Fernanda e Poemas said...

Olá Joaquim, grata pela tua visita.
não conhecia o teu blogue e adorei.
Parabéns.
Beijinhos,
Fernandinha

11:16 da tarde  
Anonymous Claudinha said...

Dr. Amândio,antes de mais,gostaria de dizer publicamente que é uma honra para mim poder deixar-lhe aqui umas palavrinhas...
Estes versos são sem dúvida fantásticos e remetem-nos para o facto de podermos voar além fronteiras:"em cada palavra um sopro,em cada verso uma acometida,em cada estrofe um mundo.Cada momento:mais!Gigantes SEM FIM num simples segundo."
Este poema transmite-nos muita serenidade e faz com que aumente a nossa paz interior.
A conclusão a que chego ao lê-lo é que quando sabemos amar tudo é mais fácil.Afinal,o que seria a vida sem o Amor?
Nestes lindos versos é visível que a procura de uma paixão ultrapassa os limites do tempo/espaço e como tal..NUNCA devemos deixar de voar,voar é ser livre,é ser maior!!!

Um beijinho para um brilhante escritor e amigo e.....
Jamais deixe de voar!!

11:39 da tarde  
Blogger Um Momento said...

"...a poesia tem horas que o tempo não marca..."

Mas deixa marcas no tempo , como a mim me encanta...

Belo, muito belo

(*)

2:15 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home