terça-feira, janeiro 10, 2006

luz


a minha lágrima
irrompe da luz que me ilumina
em cada fracção dos segundos

que cumpro no meu respirar.
a minha lágrima

atravessa-me num sulco
tão profundo como a dor que ostento
em cada soluço
do meu choro contínuo.
a minha lágrima

corre célere para o mar.
a minha lágrima

sorve a imensidão do oceano e,
sem descanso
busca o meu porto de abrigo.

tua marina.
a minha lágrima

é a minha liberdade.
exala em cada pedaço de segundo
a minha vida
para lá da paleta de cores

que as nossas retinas conseguem conter.
a minha lágrima

faz-me mergulhar
no seio cristalino da tua liberdade.
tão férrea, tão eterna,

que nunca a sopra o vento.
a minha lágrima és tu.
a minha lágrima

vai para onde tu caminhas.
sempre que me consome

a palidez da dor
sempre que não me renego

a força colorida do sorriso.


7 Comments:

Anonymous LUZ said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

2:07 da tarde  
Anonymous Luz said...

não quero ser uma lagrima tua, transforma-me antes numa lembrança que te embala e te dá força para ser o que não foste e o que foste ja querer não queiras.
Assim se cresce, assim se vive.
Ama,
Cala,
Espera e Voa.
Luz

2:27 da tarde  
Blogger Corvo said...

O amor é um atractor estranho.

As forças do universo são como perpendiculares, aos olhos de muitos, mas no fundo tudo é complementar... e a lagrima, o teu grito, a dor, equilibra o amor o fiel da balança.

3:37 da tarde  
Blogger Dalila said...

Lindo! =)

4:18 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

what can i say, darling...?


you said it all!


sol

12:15 da tarde  
Anonymous Andreia said...

"Podemos sofrer no deserto e, no entanto, amá-lo. De resto, é por causa desse sofrimento que o amamos."

11:41 da manhã  
Anonymous nelia said...

o amor é um som que reclama o seu eco...
um eco perdido num labirinto cuja entrada é muito fácil, mas a saída extremamente difícil.

9:33 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home