quarta-feira, abril 02, 2008

CONTORNOS DO EU

© 2008, todos os direitos reservados, joaquim amândio santos e negra tinta editorial
Photo by HONEY



em distanciamento ousado e contemplativo
ergue-se doce o movimento do desejo
marcadamente difícil erguer serenidade perante o gáudio sôfrego da posse,
no manto marcado da volúpia aconchega a dádiva do prazer
que conta a sua história incessante na linguagem da partilha ritual.

se não fosse o amor,
correria nas veias sem morte a superficial certeza do vazio,
esse parasita que apenas o medo constrói.

40 Comments:

Blogger Ana Paula Afonso said...

Eu desejo o doce prazer que se oferece em rituais de partilha, sem medos nem posses.
só o amor, cheio de volúpia aconchegada no movimento sôfrego de uma história sem fim.

1:35 da tarde  
Blogger -Célia Casquinha said...

Desejo que me chega sozinho, procuro amarrar, conter. Se em breves momentos o soltasse, mais á frente as mãos da dor do impensado me arrasariam.
Não sou um momento, não posso viver como um.
Adoro o prazer que vem da partilha ritual, do dar e receber que tudo justifica, se mais algo houver.
Para que o medo não construa no vazio, somos precisos 3: eu, ele e o Amor.

1:38 da tarde  
Blogger Isabel Teixeira Gomes said...

Rebuscado em palavras toca a natureza simples dos afectos. Transporta-nos e interroga-nos. E se o medo "ergue bandeiras para nos deter" há rituais que incendeiam o amor. Gostei. :)

1:51 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

palavras que explodem sentimento,
que avivam memórias esquecidas,
que acordam os sentidos,
que gritam prazer de viver.

gosto =)

alexandra

3:27 da tarde  
Blogger mariazinha said...

sentir.

beijos**

3:30 da tarde  
Blogger Pilar M Clares said...

...se não fosse o amor...

o qué e que seria?

"De violeta es recobreix el temps,
però el somni encara l´embolcalla"

Prazer! E beijo

3:34 da tarde  
Blogger inBluesY said...

se n fosse ele, como seria a morte sem o renascer, como seria se ele não fosse subtil, como viveria a Paixão?

3:48 da tarde  
Blogger Artista said...

... sonhando... baixo um braço, depois o outro... rendo-me, por agora, ao intermitente... infinito, conforto de ser... sem pensar!

3:57 da tarde  
Blogger Diana said...

que dom esse, de retirar cirurgicamente das palavras todos os seus sentidos...

4:25 da tarde  
Blogger Serenidade said...

Não existe maior parasita e anastesiante que o medo.... o amor o antídoto, embora mesmo este o medo, por vezes, o domine.

Serenos sorrisos

9:13 da manhã  
Anonymous marcio gouveia said...

profundo contorno surrealista e metafórico do "eu" que revela aspectos comuns com o "eu" de cada um de nós...um "eu" colectivo que despoleta desejo e sensações metafísicas.

Márcio Gouveia

9:58 da manhã  
Blogger Maria Laura said...

Texto de reflexão. O papel do amor e dos rituais ligados ao desejo e à paixão é fundamental no exorcizar do medo. No entanto, o próprio amor gera outros medos.

12:07 da tarde  
Blogger sinhã, a. said...

O amor e por amor. :-)

5:01 da tarde  
Blogger Jorge Cardoso said...

Se não fosse amor, seria o que? digo eu!

a distancia fica singela porque apenas dá o trato a uma questão chamada amor, que se ergue a cada centímetro em que a lembrança caminha...

sabe que amei cada palavra com o sentir verdadeiro de um amigo, mas que não é tão filósofo!

11:35 da tarde  
Blogger SAM said...

"difícil erguer serenidade perante o gáudio sôfrego da posse..."

É verdade...


Lindo, como sempre, e bem construída suas poesias, amigo Amândio.

Beijos com carinho e ótimo fim de semana

12:30 da manhã  
Blogger Carlos said...

a posse é a antítese terrível e funesta de qualquer ritual...que eventualmente pode levar ao vácuo ,interpretado por esse «hospedeiro» miserável.
Agora ,
...o amor é plasma e o prazer a corrente....

1:00 da manhã  
Blogger Baudolino said...

se não fosse o amor, correria nas veias sem morte a superficial certeza do vazio

...se não fosse o amor, o que continuaria a fazer pulsar o coração?
abraço
p.

5:24 da tarde  
Blogger mariam said...

uma amiga um dia disse "no Amor vale tudo menos doer"
:)
***

6:20 da tarde  
Blogger mariam said...

certo dia uma amiga disse "no Amor vale tudo menos doer" :)
****

6:23 da tarde  
Blogger vero said...

Gostei do seu cantinho :)
Uma boa semana ***

p.s: convido-o a conhecer o meu cantinho :)

7:28 da tarde  
Blogger (Un)Hapiness said...

olá...obrigada pela visita!:)

gostei deste post..intenso...vou ler mais alguma coisa!;)

inté

7:49 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Aí o amor,sim o amor...quase tudo o que existe só ama porque é amado. E amar, nada mais que um pacto com a dor...um doce ritual!

7:04 da tarde  
Blogger impulsos said...

O medo é a maior fraqueza do ser humano.Ainda bem que existe o amor para o combater, não permitindo que se construam muros em volta de ocos espaços vazios...

Beijo

5:15 da tarde  
Blogger Nélia M. Pereira said...

A Negra Tinta Editorial
tem o grato prazer de o/a convidar para o lançamento do livro
de Jorge Vieira Cardoso
com prefácio de Joaquim Amândio Santos e design de Vítor Gil

19 Abril| 2008 |21.00 horas
Salão Nobre | BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DA LIXA

2:28 da tarde  
Blogger SAM said...

Ah, se não fosse o amor...


Beijos amigo.

Ótimo fim de semana

3:39 da tarde  
Blogger Sandra Fonseca said...

Se não fosse o amor, viver era resvalar nos vãos obscuros da mente... Estéril(mente)...
Um abraço,
Sandra.

3:44 da tarde  
Blogger RPM said...

um abraço de amizade, caro Amândio...

feliz esteja!

RPM

3:59 da tarde  
Blogger O Lápis said...

...e que o medo destroi!

Às vezes.


Um abraço

8:56 da tarde  
Blogger O Lápis said...

Não era beatude.

Era ironia.

:)

9:07 da tarde  
Blogger ESQUINAS E LUAS said...

solidão.

2:08 da tarde  
Blogger SAM said...

Ótima semana, Amândio!

Beijos com carinho

2:47 da tarde  
Blogger By myself said...

Linto e intenso, como sempre, aliás!

Um beijo

3:51 da manhã  
Blogger Lord of Erewhon said...

O amor é uma distracção do vazio, que dança no seu topo, breve.

1:56 da manhã  
Blogger inBluesY said...

se não fosse o Amor,
onde viveriam todas a côr ?

1:46 da tarde  
Blogger Betty Branco Martins said...

querido______Joaquim




.o




medo





nos sustentem_____vivos







_______o medo.entra.no.sangue





em forma de____desejo____...







beijO_____C______carinhO

11:14 da tarde  
Anonymous Palas Atena said...

versos de uma sensualidade delicada, aliás como é marca do autor...
bjsssssss
Aluiza

12:49 da manhã  
Blogger Arco-íris said...

Tens o Dom de me fazer parar a lêr-te...adorei,senti cada palavra.
Escreves como ninguem...
beijinhos...

10:33 da tarde  
Blogger A.J.Faria said...

Bom texto, com forte adjectivação, proporcionando um excelente momento de leitura!

Um abraço

10:54 da manhã  
Blogger SAM said...

Vim te deixar um afetuoso beijo.

3:30 da tarde  
Anonymous Filipe TX said...

Concordo totalmente com a última estrofe…

8:44 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home