domingo, dezembro 25, 2005

crisálida

quando caio na dor de uma noite escura, soa tão forte
que mata o mar alto!

sussurraram pálidas ondas, exaustas e fenecidas do seu próprio veneno:
moribundo...

retorquiu a areia, sólida. grão a grão...
espaços sem mácula de vazio: nunca, nunca ninguém


escuro este poço tão profundo!

2 Comments:

Blogger caos said...

Deixo o meu comentário neste poema. Poderia ter deixado noutro, uma vez que há vários que me tocam. Talvez o título deste me tenha dito algo mais...
Há dias, recebi de uma amiga (Filipa Barros)um livro seu com uma dedicatória para mim, a qual apreciei bastante, especialmente porque não nos conhecemos. Fiquei a conhecer um pouco do seu trabalho e gostei bastante.
Entretanto, resolvi criar um blogue e partilhar umas coisas minhas (chama-se palavrasaovento)...

Parabéns pelo trabalho, sobretudo porque denota o prazer de escrever.

Obrigada pela dedicatória.

Cláudia Silva

11:10 da tarde  
Blogger Alessandra said...

Que delícia esses casulos e poços e vôos e instantes de loucura passageira que tenho encontrado aqui!
Uma escrita bela, sensível, suave e cheia de profundidades! Um beijo grande!

3:36 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home